Advogada e ativista feminista Rosana Chiavassa ministra palestra sobre Direito e Violência contra a Mulher em Joinville

Chiavassa criou e executa o projeto “Não hesite, apite!” contra o assédio sexual no transporte coletivo, que já distribuiu mais de um milhão de apitos

A “Dicotomia entre o Direito da Mulher e Violência Contra a Mulher” é o tema da palestra que a advogada Rosana Chiavassa irá ministrar no próximo dia 06 de outubro (terça-feira), às 19h00, no Centro Universitário Católica de Santa Catarina, na cidade de Joinville. “Este é um tema importante para a sociedade brasileira refletir, pois o desrespeito a qualquer dos direitos da mulher já é uma violência grave que se comete contra ela”, afirma a advogada, que em São Paulo preside a ASAS – Associação das Advogadas, Acadêmicas e Estagiárias do Direito do Estado de São Paulo. “Tenho conversado muito sobre este tema nas palestras que ministro em diferentes pontos do Brasil. Espero estar despertando consciências e provocando um novo olhar sobre esta questão”, acrescenta.

Chiavassa é uma ativista incansável pelo cumprimento dos direitos das mulheres e contra a violência que se comete contra elas, diuturnamente, em todo o País. A mulher é vítima de violência na rua, no trabalho, na escola, em sua própria casa e até no transporte. “No transporte coletivo, ônibus, metrôs e trens, o assédio sexual é um crime que se comete de forma contínua e os culpados raramente são pegos e punidos”, alerta. “Esta violência, que ainda não é tratada com o rigor que deveria tanto pelas autoridades como pela própria sociedade, deixa marcas profundas e doloridas nas mulheres vítimas desse tipo de agressão”, acrescenta.      

Há dois anos, em nome da ASAS, Chiavassa criou o movimento “Não hesite, apite!” que já distribuiu mais de um milhão de apitos às mulheres em estações do metrô e trens, em terminais de ônibus e portões de entrada de hospitais e faculdades de São Paulo e Interior. “O apito é um instrumento de defesa da mulher”, revela Chiavassa. “Quando assediada ou sentindo-se ameaçada, a mulher deve apitar para afastar o agressor, chamar a atenção das pessoas próximas e acionar o sistema de segurança”, explica. Além do apito, o movimento “Não hesite, apite!” também entrega às mulheres um folheto com orientações sobre clash royale hack download como denunciar à Justiça o agressor.   

A advogada especializada em relações de consumo com foco na área da saúde, Chiavassa é, também, uma referência no Direito brasileiro. Foi ela, no início da década de 90, que abriu as portas para a judicialização da saúde no Brasil quando defendeu os direitos de um jovem, vítima da AIDS, e obrigou a operadora do plano de saúde a pagar os custos de seu tratamento médico.